Aplicações, Tecnologia

7 dicas para evitar a não conformidade na indústria de alimentos

É fundamental garantir a segurança alimentar e a qualidade dos produtos distribuídos à população. Para isso, existem normas estabelecidas por órgãos reguladores para fiscalizar a não conformidade na produção de alimentos.

Essas normativas são exigidas por lei e supervisionadas por órgãos governamentais, como a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) e Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA). 

Como já abordamos aqui no nosso blog, a gestão de qualidade é indispensável para manter sua produção em conformidade com as exigências legais e evitar que seus produtos sejam retirados do mercado. 

A falta de qualidade pode trazer sérios problemas para seu negócio, por isso, é importante estar atento. Neste artigo, vamos entender o que é uma não conformidade, seus riscos e como você pode ajudar a prevenir esses desvios.

 

Não conformidade na indústria: o que é e quais os riscos

Uma não conformidade é definida quando não se cumpre uma exigência fiscal padrão, seja durante a produção, prazo de entrega, embalagem ou no produto final. Existem normas específicas para cada ramo do mercado que estabelecemos padrões necessários correspondentes. 

Na indústria de alimentos, qualquer descumprimento ou falha na produção pode afetar todo o processo e comprometer a qualidade final, acarretando em severas consequências para sua organização.

A falta de fiscalização e padrões de qualidade traz riscos para a segurança do seu cliente, faz com que você perca credibilidade e a confiança dos consumidores, afetando diretamente sua reputação e, consequentemente, suas vendas. 

Além disso, falhas não identificadas podem colocar seus funcionários em riscos de acidentes ou contaminações, deixando sua empresa vulnerável a processos judiciais por denúncias de não conformidade. 

 

Em conformidade com as normas fiscais e regulamentações 

Estar de acordo com as normas e padronizar sua produção para um controle de qualidade contínuo é importante para identificar e corrigir não conformidades, garantindo a excelência de seus produtos. 

Então, como evitar a não conformidade e garantir o padrão de qualidade? Primeiro, conheça as regulamentações referentes à indústria de alimentos e estabeleça processos padronizados de acordo. 

Principais normas do controle de qualidade da indústria:

  • ISO 9000
  • ISO 14001
  • ISO/IEC 17025
  • ISO 22000
  • APPCA

 

A família ISO 9000 abrange diversos aspectos da qualidade e padronização. Elas  estabelecem um conjunto de padrões para sistemas de gestão da qualidade, ajudando as organizações a garantir que seus produtos e serviços atendam aos requisitos dos clientes e que a qualidade seja constantemente melhorada.

A ISO 14001, fornece um quadro para uma gestão ambiental eficaz que reduza o impacto ambiental e aumente a conformidade com a legislação aplicável. As empresas utilizam a ISO 14001 para demonstrar compromisso com a preservação ambiental, melhorando a eficiência dos recursos, reduzindo o desperdício e ganhando uma vantagem competitiva.

Já a ISO/IEC 17025, ajuda a estabelecer requisitos para laboratórios que desejam assegurar a sua capacidade de produzir resultados de ensaio e calibração tecnicamente válidos. É crucial para laboratórios que realizam testes, calibração e amostragem, assegurando a precisão e a confiabilidade dos resultados.

A ISO 22000 tem como foco definir os requisitos para um sistema de gestão de segurança alimentar. Ela é aplicável a todos os elos da cadeia de suprimentos de alimentos, desde produtores até varejistas, visando garantir a segurança dos alimentos ao longo de todo o processo produtivo. A norma ajuda a identificar, prevenir e controlar riscos alimentares, garantindo a segurança dos alimentos para o consumidor.

O Sistema de Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle (APPCC) estabelece diretrizes internacionais para o controle de riscos químicos, biológicos e físicos que devem ser seguidas corretamente pelo gestor de qualidade. 

Cada uma dessas normas desempenha um papel crucial em diferentes aspectos da indústria, contribuindo para a qualidade, segurança, eficiência e sustentabilidade.

 

Dicas para evitar a não conformidade na indústria de alimentos

1. Boas práticas de fabricação

As Boas Práticas de Fabricação (BPF) englobam um conjunto de orientações com foco no manuseio correto de alimentos para garantir sua qualidade. Elas devem ser seguidas pela indústria de alimentos e empresas de serviços alimentares. 

Essas normas controlam desde a matéria-prima até o produto final e estabelecem parâmetros de:

  • Higienização;
  • Controle da água;
  • Higiene e saúde dos funcionários;
  • Resíduos;
  • Manutenção preventiva;
  • Controle de vetores e pragas.

 

2. Treinamento da equipe

Com processos padronizados estabelecidos para evitar não conformidades na produção, a sua equipe deve ser treinada para entender o que deve ser feito de acordo com as normativas. É importante registrar esses treinamentos e manter as informações centralizadas para que toda a equipe possa acessá-las. 

 

3. Auditorias internas

Realize auditorias internas dos sistemas e processos de qualidade para verificar se o sistema de gestão está implementado de forma eficaz. Seguindo as diretrizes da ISO 19011, essas auditorias são realizadas por um auditor capacitado com planejamento e metodologia específicos da norma.

 

4. Uso de tecnologias de monitoramento

A tecnologia torna-se cada vez mais  fundamental no controle de qualidade para evitar irregularidades e identificar não conformidades. Por isso, facilite a gestão com uma tecnologia automatizada, fácil e intuitiva que organiza suas informações e monitora os processos de produção, economizando seu tempo e aumentando a produtividade, já que as falhas podem ser mapeadas e corrigidas desde o início. 

 

5. Programas de rastreabilidade

Implemente programas de rastreabilidade para sua produção, desde o plantio e cultivo até a entrega final. A rastreabilidade garante a qualidade e segurança do produto. Tudo isso pode ser sistematizado e acompanhado com ferramentas de monitoramento a partir de dados. 

 

6. Padronização de processos (POPs)

Os Procedimentos Operacionais Padrão (POP’s) ajudam no controle da gestão de qualidade dos seus processos, fornecendo uma descrição detalhada de como determinada atividade deve ser realizada, contendo informações embasadas em referências técnicas e validadas.

 

7. Inspeções regulares

As inspeções regulares são indispensáveis para avaliar a padronização dos processos certificando-se se a equipe está cumprindo as etapas corretamente e identificando possíveis falhas ou retrabalhos o mais cedo possível. Tudo isso deve ser registrado em documento, como o Relatório Não Conformidade (RNC), para acompanhamento. 

Como vimos, a não conformidade dos seus processos de produção pode trazer sérios problemas para seu negócio. Dessa forma, manter um sistema de gestão de qualidade eficaz ajuda na identificação de inadequações e mostra oportunidades de melhoria

Portanto, para prevenir irregularidades e elevar o padrão de sua produção, siga nossas dicas e não deixe de contar com o apoio de plataformas automatizadas para otimizar seus processos e garantir a excelência dos seus produtos.

Conteúdos relacionados

Como a automação simplifica processos internos em empresas

Automação digital no setor de qualidade

O que é o no-code e como ele pode impactar sua empresa?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *